Visualizações

sábado, 18 de janeiro de 2014

" O tolo que a olha..."

Nasce o dia e olho os teus olhos,
o raiar do sol bate na tua face e eis que me encaras e sorris,
cantas na mente o sopro que me apaga os fogos ,
esfregas-me a tua cara na minha pele e sinto o teu cheiro embebido em anis.

Porque és tu, aquela que me torna numa figura tola ?
Quem és tu para me dissolveres no encanto da paixão ?
Deusa inigualável, porque te ergues em desafio na proa,
porque embicas com a respeitosa parte desta nossa embarcação?

Sabes, figura esbelta e frágil, também eu te desafio,
também eu te afronto e respiro em sintonia ao teu batimento!
Eu aproximo-me dos teus lábios e termina de imediato o fastio,
quem diria, que serias tu de uma única vez, a terminar o meu descontentamento?!

Nos meus sonhos pensei em ti, enquanto a meu lado não pousaste,
flor doce que balanças ao sabor do vento e do acaso,
ao olhar amo-te e ao amar-te eu confesso, tu me mataste,
ao morrer renasci e isto aconteceu vezes sem fim, o meu coração ficou bravo!

Mas tu, que te pinto na tarde salpicada por azul garrido e laranja destemido,
sorris outra vez e sem porquês, tamanha a tua malvadez!
Cai a noite, mantos de estrelas, uma tela em tons de um negro diluído,
eu não quero saber, que passe rápido, para te poder ver banhada pelo sol, outra vez.