Visualizações

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

" O passado que já lá vai "

Tantas, mas tantas são as vezes, em que eu olho o meu glorioso passado! Era-me dito que era isto e aquilo (os bons elogios), o meu coração ocupava-o com as paixões que ia tendo. Entre os amigos levantou-se o palerma do grupo e tornou-se num exemplo a seguir, quer pelas merdas da adolescência, quer pela merda da popularidade (nunca entendi). Os amigos, cada vez mais um grupo abrangente, nunca aborreciam, porque o teimar nos elogios e na popular graxa acabava por ser bem vindo (era bom sem dúvida alguma).
O ambiente em casa nunca na vida é perfeito, as preocupações por talvez reprovar por ser demasiado cómico também não acabavam, eventualmente uma das paixões tornava-se séria e é um problema pois há uma tendência para querer mais que uma, nem que seja à vez!
A adolescência na vida, é aquele prato que vai para a mesa que nós não gostamos tanto assim mas também não detestamos assim tanto, comemos por comer, a barriga está cheia e pronto. Mas mesmo assim, olhando para trás, há alguma coisa na cor daqueles dias, nas músicas que ouvíamos, nas burrices que dizíamos, nas porcarias que fazíamos. Há um sorriso esforçadamente escondido ao lembrar as barreiras que ultrapassámos. Dói-nos o coração daquele vez que fomos traídos, mas dá-nos gozo as vezes que traímos, muitas sem nunca terem sido descobertas. Custa-nos lembrar o primeiro desgosto de amor, as discussões em casa, o confronto de amigos verdadeiros e falsos, claro que custa. No entanto, há a tentação, "se eu pudesse voltar eu voltava"!
  Digo então, sem dúvida que não me importava de voltar a viver tudo aquilo, mesmo que vivesse momentos que foram uma porcaria de novo, mas é ai que ganho consciência, para quê voltar ao passado? A vida agora não é assim tão boa também, continua a ser um prato assim-assim, talvez até com mais legumes manhosos... só faltam mais momentos de loucura e boa disposição como haviam antes e isso não é voltar a ser adolescente, é voltar a ganhar vida, a ter voz própria, a não ser tão correto mas mais aventureiro, não pensar nas consequências tantas vezes, dizer antes "que se lixe hoje", "quero lá saber, vamos a isso"... às vezes tudo o que falta é a coragem para sermos parvos, como a que tínhamos no passado que já lá vai.