Visualizações

domingo, 1 de fevereiro de 2015

" Viagem à felicidade"


Resultado de imagem para happiness tumblrHoje não me apeteceu mais nada para além de escrever sobre felicidade. Apenas à algumas semanas para cá é que entendi, que estou a dar os primeiros passos no redescobrir da felicidade, curioso não é? Não estou a mentir, nem a dramatizar, a quantidade de anos que tenho tido momentos infelizes é estonteante, tudo porque costumava pôr as inseguranças à frente do que verdadeiramente vale a pena. Não consigo parar de rir, ao pensar nas parvoíces do passado! Sentimos-nos inseguros por tudo, pelo corpo, pela imagem, pelo que pensam de nós, se vamos ter algum futuro, se nos amam, etc ... e provavelmente a maioria das pessoas que lerem isto, vão estar neste momento a rever-se nestas inseguranças, se as reconhecem, sabem o quanto pesam, mas nem imaginam o quão fácil são de apagar.  Tudo o que basta dizer é, eu quero ser feliz e vou lutar para ser feliz ... esta afirmação tira-nos um peso enorme de cima a partir do momento em que é sentida, em que teimamos que vai ser verdade.
Antes de tudo, eu vi-me e percebi que era infeliz, então procurei uma amiga distante chamada felicidade. Vi-me nos breves momentos em que fui feliz no passado, durante a infância principalmente. Eu era feliz porque sorria, porque era despreocupado, porque me amava a mim mesmo, porque era sincero, porque era parvo, porque sonhava, porque queria! Procurei outros na adolescência, o amor, a amizade, a simplicidade, a força, a energia, tudo porque queria!
Durante todo este tempo obscuro, uma das maiores barreiras foi enfrentar um muro gigantesco, que tem escrito em letras grandes " como ser feliz? ".  Tenho vindo a perceber que não há uma maneira exacta de o ser, simplesmente não há, é só rever o meu passado, era feliz por diferentes coisas, mas houve uma coisa que se manteve, era o querer. Pode não existir uma maneira concreta, mas uma coisa é certa, não há ninguém que não possa ser feliz, tenho visto felicidade onde menos se poderia esperar, tudo porque há um querer. Um querer, quando convicto e sentido, é tudo o que basta. Ninguém nos pode privar da felicidade, tudo porque somos nós que escolhemos o motivo de a sentir.